20 de Novembro de 2018

Aproveite enquanto é tempo e inclua o trem do subúrbio em seu passeio por Salvador

Enquanto o VLT não vem para aliviar o dia a dia da população que mora no Subúrbio de Salvador, o trem continua ligando um extremo da cidade – ou mais precisamente o bairro de Paripe - à Calçada.  Fora dos horários de pico, esse meio de transporte é também um excelente passeio. Se ligue nas nossas dicas para incluir esse meio de transporte pra lá de peculiar no seu roteiro, principalmente porque em poucos anos a linha férrea já não funcionará mais por aqui. 

(Foto: Instagram/Reprodução/oxe_matt)

*A viagem tem 13,6 km e dez estações
O trajeto será prazeroso para quem gosta de apreciar a paisagem urbana entremeada por casinhas, ver os meninos empinando pipa nas lajes e, no caminho,  ser surpreendido pelo mar que insiste em tornar a capital baiana mais bonita ainda. No trajeto, de quebra, você ainda verá antigas fábricas desativadas, na região de Plataforma, e também os pitorescos vendedores que mercam seus produtos no balançar dos trilhos. 

*Cabe no bolso
A tarifa custa R$ 0,50 e não há integração com outros meios de transporte.

*Todo dia é dia
O sistema funciona diariamente, das 6h às 20h.

*Da Calçada à Paripe
Dá para percorrer o trecho em 40 minutos. Só o tempo de espera entre um trem e outro é grande: varia de 30 minutoas a 1 hora, nos fins de semana.

(Foto: Instagram/Reprodução/cicerojoseh.adv)

*Se ligue no trajeto
Calçada, Santa Luzia, Lobato, Almeida Brandão, Itacaranha, Escada, Praia Grande, Periperi, Coutos e Paripe.

*Preste atenção na Estação Calçada
É coisa pra inglês ver! Foi concebida em Londres pelo inglês John Watson em 1855. A estrutura em ferro fundido foi trazida da Inglaterra e complementada com forros e assoalhos feitos em madeira. Em 1938, a estrutura ganhou o reforço de alvenaria de bloco e a marquise fundida em concreto armado.

(Foto: Flickr/Reprodução/Deputado Rolemberg)

 

*Antiguidade é posto
Os trens são simples e antigos, não espere sinal sonoro avisando qual é a estação. Prepare-se para apurar a vista para ler as placas ou ir contando cada parada.

*Todo charme
Grafites colorem os trens e os tornam mais especiais ainda.

*A ponte
O trem cruza uma ponte de ferro, sobre a Península de Itapagipe. Numa época não muito distante, coisa de 20 anos, essa área era tomada de palafitas.

(Foto: Flickr/Reprodução/Deputado Rolemberg)

 

*A vista e o barquinho
A Estação Plataforma tem uma vista incrível para a Ribeira. De lá, você pode pegar um barquinho (R$ 1) e ir tomar sorvete no famoso bairro da capital. O ponto também é parada pro restaurante Boca de Galinha (só funciona de sexta a domingo e aceita espécie). É fácil se localizar: tome como referência o conjunto de palmeiras imperiais. 

 

(Foto: Instagram/Reprodução/Belezas do Subúrbio)

*É praia que chama?
Se você curte um mergulho em mar cristalino, pode usar o trem como meio de transporte. Bem perto da Estação de Paripe (cerca de 20 minutos de ônibus) fica a praia de São Tomé de Paripe. Nos fins de semana é muito crowdiada, mas durante a semana dá para curtir de boa. A praia também é ponto para pegar barco para a Ilha de Maré.

*Vai rolar a festa
FIque atento: alguns grupos organizam festas no trem em datas especiais, como São João e Carnaval. O ambiente é divertidíssimo, com comida e bebida. 

Whatsapp

ÚLTIMOS POSTS

Galeria

Suba 100: mountain bike no Vale do Jiquiriçá
Pensou em praia? Veja algumas das mais bonitas
Ver todas as galerias

Eu fui!