12 de Dezembro de 2018

No Recôncavo, conheça a arte de um alemão muito baiano

Depois de rodar muitos lugares no mundo, e atuar até como marinheiro, Karl Heinz Hansen (1915-1978) escolheu São Félix, cidade do recôncavo baiano, para fixar âncora até o fim da sua vida. Escultor, pintor e especialista em xilogravura, o alemão produziu vasta obra artística, que pode ser visitada e explorada na Fundação Hansen Bahia. A instituição, fundada em 1973 pelo próprio artista, conta com três espaços em municípios vizinhos: um museu-casa, em São Félix; além, de um espaço cultural e museu-galeria, em Cachoeira. Juntos, apresentam mais de 18 mil peças aos visitantes.

 O museu-casa de Hansen Bahia, em São Félix, é garantia de conhecimento aos visitantes

(Crédito: Tatiana Azeviche / Setur / Divulgação)

 

A dica é começar pela Ladeira Santa Bárbara, no centro de São Félix, onde está a fazenda em que Hansen Bahia (como passou a se chamar) viveu ao lado da talentosa artista Ilse Hansen. Com área de 25 hectares, o lugar foi doado à Fundação em 1983, após a morte do casal. A visita garante proximidade com a intimidade do gravurista, expondo mobiliários, ferramentas de trabalho, a exemplo de máquinas trazidas da Europa e a prensa onde fazia entalhos em madeira, além de centenas de acessórios pessoais (no acervo memorialístico).

 Ferramentas de trabalho utilizadas pelo casal Hansen estão em exibição 

(Crédito: Tatiana Azeviche / Setur / Divulgação)

 

Siga direto para Cachoeira (é só atravessar a ponte, a pé mesmo!) e, na Rua Treze de Maio, encontre mais detalhes sobre a obra do artista em exposições permanentes e temporárias. No museu-galeria está em cartaz a mostra Hansen: o sol expressionista, onde é possível perceber de modo mais direto quais eram as abordagens de interesse do xilogravurista: ele gostava de misturar, principalmente, as temáticas sagradas e profanas nas suas produções.

 Fachada da instituição cultural, fundada pelo alemão, em Cachoeira 

(Crédito: Divulgação / Fundação Hansen Bahia)

 

Admirador da obra de Jorge Amado, Hansen Bahia materializou seu afeto pelo baiano numa exposição inspirada na obra do escritor. O ano da mostra, 1955, é o mesmo da chegada do artista à Bahia, depois de morar por cinco anos em São Paulo. Além de produzir fotografias, gravuras e esculturas, Hansen ilustrou edições de grandes nomes da literatura, como Castro Alves, Bertolt Brecht e François Villon, por exemplo.

Xilogravura de Hansen Bahia dialoga com religiões de matrizes africanas

(Crédito: Reprodução)


Se ligue!

Fundação Hansen Bahia / (75) 3425-1453  / Museu-casa: Ladeira de Santa Bárbara, s/nº - São Félix / Espaço cultural e museu-galeria: Rua Treze de Maio, nº 13 – Cachoeira
Funcionamento: terça a sexta, das 9h às 17h; sábado, das 9h às 13h
Preços e serviços apurados em novembro de 2017

Whatsapp

ÚLTIMOS POSTS

Galeria

Suba 100: mountain bike no Vale do Jiquiriçá
Pensou em praia? Veja algumas das mais bonitas
Ver todas as galerias

Eu fui!